CHRIS FRANCINI

São Paulo Fashion Week N43 - 4° Dia

SPFWChris FranciniComment

A LA GARÇONNE

Primeiro desfile do dia, com a sala lotada, a coleção une o universo fetichista de Alexandre com a fase mais garimpada da ALG. Um mix de peças produzidas à mão com um estilo underground que vem de outras épocas. A apresentação forte e marcante teve um resultado positivo imediato, e mostra que a imagem da dupla veio para ficar. A marca ainda conta com diversas parcerias de sucesso, entre elas: os coturnos com a Hardcore Footwear, as peças conceito e comercial com a Hering, tênis customizados Vans + A La Garçonne, e a última, e uma das minhas preferidas, os acessórios de Hector Albertazzi, inclusive as bolsas estampadas e com cordas, que amo!

COTTON PROJECT

Conforto é a palavra que vem à cabeça quando falamos da Cotton, e é essa a proposta da marca para o inverno 2017, estar bem vestido e confortável ao mesmo tempo. Para isso, a coleção conta com peças de algodão, seda, veludo. A alfaiataria surge bem casual e em cores clássicas que vão do preto, branco até a mistura de tons quentes. Atenção para o laranja e amarelo, pontos de cor para a estação, usados com delicadeza.

MAISON ALEXANDRINE

Mais uma estreia na temporada, a grife teve sua coleção assinada por Dinho Batista. Ao contrário de outros desfiles, a marca optou por uma modelagem mais alongada e clean, sem excessos. Vestidos longos e curtos, justos e fluídos com recortes estratégicos. A transparência ganhou aplicações de fitas de cetim, como se estivessem trançadas. Adorei, elegante e sensual! O estilista (pelo mesmo durante o SPFW) e assessor pessoal de modelos famosas como Isabeli Fontana e Carol Ribeiro, ainda contou o segredo de ser uma coleção tão especial, ele homenageou as mulheres importantes de sua vida, dando o nome de cada uma as suas produções.

JULIANA JABOUR

Ao se inspirar no universo de motocross, a estilista une o estilo esportivo e de atitude, com uma segunda parte, mais romântica, de rendas e babados. Uma coleção com diversas peças-desejo invadiu a passarela com um styling esperto e toque moderno. A combinação do leve e pesado é sempre bem vista pelas marcas, e Juliana investiu em diferentes opções: jaqueta de couro + vestido de tule, calça esporte com camisa victoriana e outras misturas que deixam a coleção bem atual e divertida! Nas cores, predominam o preto e branco, com estampas em vermelho, azul e amarelo.

AMIR SLAMA

Nesta temporada, o estilista em uma coleção bem viva e que lembra o filme “Flashdance”, sim impossível assistir ao desfile e não pensar nos anos 80, biquínis de diferentes formatos, inclusive asa delta, e muitas tiras. As cores do beachwear são vivas e ganham um toque metalizado. O ponto alto da marca, foi a campanha contra o assédio feita junto com o Estadão, em que a modelo teve a frase “Me visto como eu quiser”, escrita no corpo com uma tinta que aparecia apenas com flash.

TIGRESSE

O último desfile do dia ficou para a estreante TIG (ou ainda chamada de Tigresse). Em sua nova fase, a marca faz também o equilíbrio do leve e do pesado com tendências que vão das passarelas ao nosso armário.
Muita transparência, renda, paetês, metalizados, geralmente na cor preta. Uma mistura dos anos 80 e 90, quando inicia a fase de rebeldia e extravagância, que hoje já não assusta e está cada vez mais nas lojas. 

O que acharam? Confiram aqui os desfiles do primeiro, segundo e terceiro dia.

Beijos, Chris.